19 de outubro de 2009

Geração da criatividade musical perdida

No último dia 17 de outubro fiz meus 21 anos de idade. Desses 21 anos separo 14 para poder falar do cenário musical que o Brasil se encontra. Pouca coisa mudou e até piorou!

 

Quando eu era pequeno, me lembro que meu pai tinha quase todos os discos do Michael Jackson e família além de outros clássicos de vários artistas. Minha mãe no final tratou de jogar tudo fora devido sua separação com meu pai. Que pena!

 

Paula TollerLi um artigo no Profissão: Jornalista sobre a falta de criatividade da geração 2000 e concordo com tudo que está escrito lá. Onde estão os novos letristas como Renato Russo, Tim Maia, Paula Toller e outros?

 

Um país que prima pela criatividade de seu povo tem se tornado tão limitado quando o assunto é música. Eu gostaria muito de ser fã de uma banda nacional, mas está difícil! Então recorro aos internacionais, principalmente ao rock inglês. Dos atuais gosto muito do Arctic Monkeys e Coldplay. Mas os melhores pra mim são os caras do Led Zeppelin!

 

Eu gostava muito do Oficina G3, banda gospel de rock brasileira, mas acho que eles se perderam ao longo dos anos. Constantes mudanças na formação e no visual e a falta de interação maior com o público me fizeram deixá-los um pouco de lado. As letras de suas músicas são bem interessantes, mas não parece ser a coisa principal na música.

 

O vilão de tudo isso

Há um grande culpado nessa história toda: as gravadoras! Elas são as grandes responsáveis pela falta de criatividade musical que nós estamos vivendo. E digo ofone porquê!

 

Leia “O triste fim do cd de áudio

 

Antigamente, as gravadoras não se intrometiam no vestuário dos integrantes de uma banda. Basta observar as famosas como Queen, Led Zeppelin, Rolling Stones, The Doors e tantas outras. Eram os próprios integrantes que eram responsáveis no que iriam vestir.

 

Emo Hoje em dia, as gravadoras entram em cena nessa área. Acabam descaracterizando a banda toda por conta de um contrato em que só eles ganham. A banda que antes era independente passa a ter que se preocupar com o que vestir e adaptar a música a isso. Por isso vemos tantas bandas com um look emocore* ou simplesmente emo. Porque é o que vende mais e que está na moda! Com isso a originalidade desaparece.

 

Meu sonho é que as gravadoras não tenham tanto poder assim sobre os músicos. Gravadora é uma coisa que já faliu e que muitos não perceberam ainda. Hoje elas trabalham com divulgação, só isso! Gravação pode ser feita em qualquer lugar, em casa! Por isso gosto muito de bandas independentes porque fazem um som genuíno sem interferência de um contrato com uma empresa.

 

Conclusão

Me parece que a salvação para a falta de criatividade no cenário musical brasileiro virá de fora, de outro país. Vai chegar uma hora que essa onda emocore vai acabar, vai cansar e muitos terão que mudar.

 

Por enquanto seguimos ouvindo músicas com aquela sensação de “eu já ouvi isso antes” e esperamos a tão sonhada virada de jogo.

 

*Não gosto deste estilo de música! Pra mim não passa de um sertanejo com distorção de guitarra. Ouço alguns cantores sertanejos, mas que não usam distorção muito menos guitarras.

1 Comentário:

Fernando disse...

Olá, o Apareceu na Net está de cara nova. Acesse http://apareceunanet.blogspot.com e confira!!! Nossos parceiros receberam um espaço especial! Em dezembro, 1 ano no ar!!!!!!

Postar um comentário

Deixe a sua opinião. Comente!